O que é o Detalhe?

O que é o detalhe?

Explicação sobre este termo recente na gíria automóvel.

O “detalhe” é a forma de tornar um veículo o mais parecido como se tivesse saído do stand, com um preço/resultado muito abaixo de outras hipóteses, como pintar a viatura.

Um profissional do detalhe usa ferramentas específicas, produtos específicos, e a sua técnica apurada para trazer os melhores resultados possíveis.

Problemas de pintura como oxidação (tinta desvanecida), riscos superficiais, “swirls” derivados das escovas das lavagens automáticas e vassoura podem e conseguem ser corrigidos usando as ferramentas e produtos adequados.

Os interiores podem ficar como novos, com um tacto e cheiro diferentes, quando todas as poeiras entranhadas são limpas e detalhadas.

Além do entusiasmo de ter uma viatura que está sempre como nova, quando quiser vender terá sempre mais valor.

O detalhe já existe nos Estados Unidos há dezenas de anos. Em Portugal começou em 2004 e é uma actividade em franco crescimento, muito devido aos seus resultados que conseguem ser facilmente comprováveis.

Errado usar uma esponja ou vassoura?

Milhões de pessoas em todo o mundo lavam o carro com uma esponja ou com uma vassoura.

Imaginem a pintura automóvel com a sujidade normal, partículas de terra agarradas na superfície da pintura, que vocês querem lavar para mostrar o brilho do carro.
Algumas dessas partículas são afiadas:

Agora, se colocarem a esponja ou uma vassoura em cima dessas partículas como fariam se fossem lavar o carro, as partículas de sujidade ficavam entre as mesmas e a pintura – Não teriam lugar nenhum para sair a não ser para dentro da esponja ou da vassoura.

Quando esfregamos a esponja ou a vassoura pela pintura estamos a esfregar as partículas, em cima do verniz, deixam um leve risco no acabamento.

Estes pequenos riscos são muito visíveis com a luz do sol, roubando o brilho e a cor da pintura, destruindo o aspecto do carro.
Uma imagem de swirls severos resultantes da lavagem com esponja ou vassoura:

Exemplo de imagem sem swirls:

 

Como é feito processo de detalhe exterior (polimento)

Polimento é um processo onde, por meio de abrasão, é removida uma pequena camada de verniz que está danificada para renovar a pintura automóvel.

Muita gente acha que é simples polir, mas não é bem assim. Antes de começar a polir, é necessário ter uma formação adequada para não danificar a pintura. O uso incorrecto dos materiais, não terá o acabamento desejado.

Através de polimento adequado feito com produtos, máquinas e técnicas correctas é possível eliminar as marcas de água, lavagens incorrectas, swirls , pequenos riscos, mosquitos, dejectos de pássaros removendo a camada superficial do verniz (oxidado) devolvendo significativamente ou mesmo totalmente a clareza e reflectividade da pintura. É um processo muito moroso com diversas fases de polimento.

Como eu faço o polimento?

Lavagem

Antes de qualquer coisa, é necessário lavar a superfície.

Análise

Não existe um processo pronto que deve ser efectuado mas sim, uma análise da situação da pintura. Após isso, é necessário fazer testes para ver qual o procedimento que será mais rápido, com menos desgaste de verniz e com o melhor desempenho.

          Situação da Pintura após a lavagem

Após ter lavado o veículo, encontram-se várias destas contaminações e riscos na superfície, como:

Overspray (névoa de tinta), Contaminantes de Ferro, Poluição Industrial e resinas de árvores – Estas contaminações ficam sobre a superfície deixando-a áspera fazendo que, com o tempo vá perdendo o brilho, de acordo com a contaminação.

Swirls – São pequenas marcas (as mais comuns), ocasionadas normalmente pela lavagem e secagem incorrecta do veículo.

Riscos Leves – São pequenos riscos, um pouco mais fundos que as swirls.

Riscos Médios – São riscos mais fundos que as swirls e os riscos leves.

Riscos até a base – São riscos muito fundos, onde se vê que a cor não muda, mas o risco já furou o verniz. Percebe-se estes riscos passando a unha no verniz e consegue-se até colocar a unha dentro do risco de tão fundo que ele é.

Riscos até o Primário – São riscos que atingiu até o Primário. É um risco que se vê nitidamente que dentro do risco, no fundo, aparece a cor cinza.

Nestes dois últimos casos, o polimento não resolve o problema. Necessita de uma aplicação de verniz localizado ou repintura.

Os processos do polimento

Descontaminação (se necessário)

Este processo é feito a fim de remover todas as contaminações que estão na superfície da pintura (overspray-névoa de tinta, contaminantes de ferro e poluição industrial), este processo é feito usando a Clay-bar.

Corte

O Corte normalmente é efectuado para remoção de riscos médios e quando é usado lixa no processo.

Meio corte

Este processo é utilizado para efectuar o desdobramento do corte reforçando a eliminação dos ricos que permaneceram depois do corte ou se apenas existirem riscos leves evitando um desgaste maior da camada de verniz.

Acabamento

Este processo é fundamental para remover as marcas dos processos anteriores (hologramas).

Avaliação final

Após ter feito todos os processos anteriores, é necessário avaliar se todas as marcas foram efectivamente removidas.

Protecção e manutenção

Após ter removido todos os defeitos, é a hora de proteger a superfície, aplicando um selante e/ou uma cera, que dará uma brilho extra à pintura e protegendo a mesma contra as contaminações anteriormente referidas. Este processo deve ser efectuado de 6 em 6 meses ou anualmente dependendo se a viatura pernoita em garagem, como forma de manutenção.

É importante ter em conta que para conservar o polimento é necessário que as lavagens do veículo sejam efectuadas manualmente com o auxílio de uma luva de micro-fibras e balde duplo.